A Vida em Flor

Poderia eu estar, ao divagar, perdido
E embrenhado num oceano de espinhos
Onde, outrora, havia um jardim florido.
Hoje, despidas pelo Outono ventoso,
Estão as árvores de folha caduca,
Onde na Primavera haverão ninhos
E um chilrear harmonioso.
É a Natureza que educa
O indivíduo mais desatento,
Quando lhe dá banhos de chuva
E o despenteia com vento.


Poderá no planeta ser outra tempestade
Que por certo passará em breve.
Contudo fico mudo, inundado de saudade,
Esperando que a Primavera chegue leve.
Darei água a todo o jardim,
Garantindo que flores lindas virão
Para desabrochar em mim,
Seu fiel e devoto guardião.


Podando ocasionalmente aqui e ali,
Manterei limpo e arrumado
O espaço envolvente,
Convidando sempre gente
Para o partilhar ao lado
E bem junto a mim.


Uma flor que sempre reguei
...e nunca colhi.