As ruas da minha cidade

De olhos cerrados revejo recantos,
locais com história e outros infames,
passagens secretas cheias d'encanto
e becos escuros repletos d'enxames.

Pontes velhas renovadas com arte,
estradas degradadas pela velocidade,
pequena a loja que vês convidar-te
a comprar da sua pouca diversidade.

O Sol e as ruas brilham.
As pessoas caminham
pelas ruas da minha cidade,
apressadas pela rotina diária,
duma vida sedentária
levada com ansiedade.

Muito cresceu e se desenvolveu
desde que aqui me estabeleci.
Novas casas, bairros e famílias,
novas lojas, a praça que cresceu,
e eu, que entretanto desapareci
para ter outro tipo de regalias.

Voltar apenas reformado,
para me sentar encostado
num cadeirão almofadado,
sabendo que consegui
fugir ao iva, irs e imi,
cobrados pelo estado
do país onde fui criado.

Mansão junto à praia
à espera que o Sol caia
dentro do mar.
Olhando-o baixar,
um brinde à vida
e à vida vivida,
que acabei por levar.