De Dezembro a Janeiro

 É com muita esperança
Que abraço o Ano Novo
Que ainda agora começa,
Mas já trás como herança,
Numa grande remessa,
O sofrimento dum povo.

Entre Dezembro e Janeiro
Fica mais uma história
Para contar o ano inteiro.
Que não seja inglória
Ou se perca em Fevereiro
Mais esta memória.

Mantêm-se as premissas
Que nos guiaram antes.
Menos pessoas submissas,
Mais cérebro, menos implantes.

Crescer e fazer feliz
Quem nem questões levantará
E apenas por amor me dará
Aquilo que sempre quis.